Estrada Real: veja o que fazer no trajeto mais incrível do Brasil colonial

A estrada real se tornou um dos destinos mais incríveis daqueles que buscam conhecer a história do Brasil e percorrer um dos trajetos mais importantes do nosso país. Contudo, ela se tornou rota turística apenas em 2001, mesmo com caminhos que datam do Século 17.

Além disso, a estrada real se tornou, há muito tempo, o maior trajeto do gênero no país, uma vez que abrange os estados de Minas Gerais, São Paulo e Rio de Janeiro, num total de 1630 quilômetros.

Por isso, o Assistente de Viagem preparou esse conteúdo exclusivo para explicar o que fazer na estrada real, quais cidades visitar e muito mais. Separe já seu seguro viagem nacional, anote as melhores dicas do nosso conteúdo e embarque conosco nessa viagem única. Boa leitura!

Afinal, o que é a Estrada Real?

Primeiramente, é importante explicar que a estrada real tem esse nome desde quando a Coroa Portuguesa optou por oficializar os caminhos por onde os diamantes e o ouro iriam percorrer da região central de Minas Gerais até os portos do Rio de Janeiro. Em resumo, ela serviu durante muito tempo para escoar o fruto da exploração mineral no país, mas nos dias de hoje, é uma ponte indescritível de acesso a alguns dos melhores destinos turísticos do Brasil.

Além disso, merece destaque que a ideia da estrada real ser o caminho oficial também indicava que qualquer outra rota poderia ter problemas com a justiça. Afinal, isso poderia significar que havia o interesse em não pagar os impostos sobre as mercadorias que por ali percorriam.

Leia também | Pontos turísticos do Rio de Janeiro

O que saber antes de colocar a estrada real em seu roteiro

A primeira dica essencial para quem busca saber o que fazer na estrada real, é acessar o site oficial e preencher o formulário disponível. Dessa forma, você poderá obter um passaporte exclusivo para o roteiro, que poderá ganhar o carimbo dos principais destinos que por ela passam.

Por fim, não esqueça de contratar um seguro viagem, mesmo estando em território nacional. Isso porque, com ele, você não fica refém dos riscos e do atendimento no serviço público, que pode ser ineficiente ou demorado, a depender da cidade onde você estiver.

4 caminhos pela estrada real e diversas paisagens e encantos para conhecer

Um dos principais benefícios de tornar a estrada real numa rota turística é que, após isso, várias cidades pequenas passaram a contar com maior estrutura para receber os visitantes. Ou seja, muito além de lugares como Ouro Preto, Mariana, Diamantina ou Paraty, há pequenos povoados que irão te encantar de uma forma única.

A seguir, elencamos os principais atrativos de cada um dos 4 caminhos, além de explicar em detalhes cada um deles. Continue a leitura.

1 | Caminho Velho: o pioneiro entre os trajetos da estrada real

O primeiro dos caminhos para se conhecer é o Caminho Velho, por onde as pedras preciosas percorriam para chegar até o porto de Paraty. Em resumo, ele vai de Ouro Preto, em Minas, até o litoral do Rio de Janeiro. Além disso, possui 710 quilômetros de extensão e passa por cidades como Tiradentes, São João del Rei e o sul de Minas, no Circuito das Águas. De modo geral, é possível percorrê-lo em 8 dias de carro ou moto, 48 dias a pé ou mesmo 15, se for de bicicleta.

É possível baixar os mapas destes trechos clicando aqui.

2 | Caminho novo da estrada real

Em seguida, temos uma opção que seria o trecho mais novo entre os quatro da Estrada Real. Isso porque ele foi criado por volta de 1725, com a finalidade de escoar mercadorias num trajeto alternativo ao Caminho Velho, que passou a ter um número alto de assaltos.

Contudo, ele também parte de Ouro Preto mas seu destino final é Petrópolis.

O trajeto possui cerca de 515 quilômetros e passa por Lavras Novas, Barbacena, Juiz de Fora e Paraíba do Sul.

Para baixar os mapas deste trecho, clique aqui.

3 | Caminho dos Diamantes e a beleza das montanhas mineiras

Por sua vez, o Caminho dos Diamantes percorre apenas o centro de Minas Gerais e liga as duas cidades coloniais mais importantes de Minas, Diamantina e Ouro Preto. Além disso, ao longo dos 395 quilômetros do percurso, você irá se deslumbrar com o Parque Nacional da Serra do Cipó e a Cachoeira do Tabuleiro, uma das mais lindas do estado.

De modo geral, são 19 cidades às margens deste trajeto, como por exemplo, Mariana, Catas Altas e Serro. Para o turismo de carro, recomenda-se pelo menos 6 dias neste trecho e basta clicar aqui para baixar os mapas da estrada.

Leia também | Semana Santa em Minas Gerais

4 | Caminho de Sabarabuçu

Por último, temos um caminho mais curto, que passa por Caeté, Cocais, Sabará, Nova Lima e Glaura (distrito de Ouro Preto). Em resumo, os 185 quilômetros deste trajeto da Estrada Real reservam pontos turísticos como o Museu do Ouro e a Serra da Piedade, podendo ser percorrido em apenas dois dias de carro.

Os mapas podem ser baixados clicando aqui.

Principais dicas sobre o que fazer na Estrada Real pelo Caminho Velho

Primeiramente, atente-se às marcações que estão por toda a estrada, em vários pontos, e são muito mais do que decoração. Ou seja, elas ficam em bifurcações e podem ajudar na orientação de turistas menos experientes.

Outra dica é considerar, por exemplo, que cidades como Mariana estão bem próximas de Ouro Preto e exige um tempo bem pequeno para visitação. Sendo assim, coloque paradas maiores em destinos mais famosos e escolha pontos principais nos demais.

Por fim, quem pretende iniciar o trajeto por Ouro Preto mas irá chegar ao estado de avião, o Aeroporto mais próximo é o de Confins, em Belo Horizonte, que fica a cerca de 150 quilômetros da cidade.

Leia também | O que fazer na Serra do Cipó

Ouro Preto, Congonhas do Campo, Mariana e Entre Rio de Minas

As quatro primeiras cidades que listamos para responder o que fazer na Estrada Real ficam, de carro, em distâncias que variam entre 30 minutos e 1 hora, uma da outra. Sendo assim, comece o passeio por Ouro Preto, passe o dia em Mariana e, em seguida, vá em direção a Congonhas.

De modo geral, as cidades acima oferecem ótimas opções de hospedagem, gastronomia e museus excelentes para se conhecer. Por sua vez, Entre Rios de Minas fica em direção a São João del Rei e tem fama de oferecer o melhor pão de queijo com linguiça do país.

Pouco adiante, você passará por Lagoa Dourada e poderá apreciar os famosos rocamboles de doce de leite, um patrimônio da gastronomia local.

Resende Costa, Coronel Xavier Chaves, Bichinho e Tiradentes

Em seguida, você estará no Campo da Vertentes e cidades como Resende Costa e Coronel Xavier Chaves devem estar no roteiro sobre o que fazer na Estrada Real. Isso porque são muito conhecidas em Minas pelo artesanato de tapetes e por excelentes cachaças feitas desde o Século 17.

Por sua vez, Bichinho é um distrito de Tiradentes que potencializa tudo que a região possui: aquela recepção única mineira num povoado acolhedor, bonito e ideal para os amantes de cultura e ecoturismo.

Em Tiradentes, há a opção de passear de Maria Fumaça e adentrar em igrejas históricas e vielas centenárias, semelhantes à cidade vizinha de São João del Rey.

Cunha e Paraty

Por último, você ainda poderá percorrer a cidade paulistana de Cunha até chegar a Paraty, no litoral fluminense. Na primeira, encontrará um variado turismo rural, com foco em conhecer cachoeiras, trilhas e fazer passeios ecológicos. Já em Paraty, irá se encantar com um misto de matas com nascentes e quedas d’água e praias incríveis, como a Praia do Sono e o litoral de Trindade.

Leia também | Turismo histórico no Brasil

O que fazer na estrada real pelo Caminho Novo

Já o trecho do Caminho Novo da Estrada Real pode ter como ponto de partida a cidade de Petrópolis, a 1 hora da capital do Rio, ou o distrito de Lavras Novas, que pertence a Ouro Preto, em Minas.

Em resumo, ele é uma excelente opção para percorrer túneis, chafarizes e fazendas históricas, através de seus 515 quilômetros de belezas naturais e cultura.

Ao começar por Petrópolis, você irá conhecer tudo que envolve a Coroa Portuguesa, uma vez que ela passou a ser conhecida como Cidade Imperial por ter sido moradia da realeza no Século 17.

E tem mais! Os amantes do ecoturismo podem acessar o Parque Nacional da Serra dos Órgãos a partir da cidade. De lá até Paraíba do Sul, são pouco mais de 120 quilômetros e é possível visitar um museu com objetos que pertenceram a Tiradentes.

Em seguida, partir para Santos Dumont e conhecer mais sobre o pai da aviação, que dá nome à cidade. Mais a frente, ainda temos Barbacena e seu passado sombrio na história brasileira. Afinal, foi lá que funcionou por décadas o Hospital Colônia, onde se estima que morreram mais de 60 mil internos. Atualmente o lugar é um museu que busca resgatar essa história tão triste do nosso país.

Por último, Lavras Novas é um pedacinho à parte de Ouro Preto, sendo um vilarejo pequeno mas com muita alegria, música e encantos. Aproveite para passear de buggy, conhecer as cachoeiras e a Lagoa do Custódio e apreciar a comida mineira.

Saiba mais | Ecoturismo no Brasil

Caminho dos Diamantes: dicas

Em seguida, para quem deseja percorrer um dos caminhos mais belos da Estrada Real, tem-se o Caminho dos Diamantina, onde a atração principal é a cidade de Diamantina. Além de ser um dos melhores destinos para curtir a Semana Santa em Minas Gerais, a cidade e seus arredores são cheias de atrações como cachoeiras, vales, montanhas e muita hospitalidade mineira.

Contudo, ela fica na região do Vale do Jequitinhonha, em direção ao Norte de Minas. Por isso, costuma ser o destino final, que se inicia, na verdade, na Região do Inconfidentes, onde estão Ouro Preto e Mariana.

Em Mariana, você encontrará um belo acervo cultural e poderá conhecer a primeira capital do estado de Minas. Após isso, irá em direção a Catas Altas e Barão de Cocais, ambas aos pés do famoso Santuário do Caraça.

Além disso, você poderá ver de perto os lobos-guará, banhar-se em cachoeiras de águas límpidas e inclusive se hospedar com pensão completa por lá. É importante explicar que o trem de passageiros da Vale entre Belo Horizonte e Vitória possui parada em Barão de Cocais. Por isso, muitos turistas também chegam até a cidade por este meio de transporte.

Duas paradas obrigatórias no Caminho dos Diamantes da Estrada Real

Por fim, merece destaque as cidades do Serro e o distrito de Milho Verde, ambos próximos ao destino final, Diamantina. Isso porque, no primeiro, você poderá provar o tradicional queijo do serro e se encantar com uma vila colonial. Já em Milho Verde, os amantes do ecoturismo irão encontrar um povoado simples e aconchegante, com trilha e tradições folclóricas intensas em meio a uma paisagem de encher os olhos.

Estrada Real pelo Caminho de Sabarabuçu

O último e o menor dos caminhos da Estrada Real é o de Sabarabuçu, antigo nome da vila de Sabará e um dos pontos de partida para o passeio. Contudo, diferente dos demais, é importante explicar que a maior parte do trecho é de estrada de terra. Ou seja, ele costuma ser mais procurado por quem faz esportes radicais ou passeios de aventura.

De modo geral, ele liga Cocais, distrito de Barão de Cocais do trajeto acima, ao distrito de Glaura, que pertence a Ouro Preto.

Ao longo dos seus 160 quilômetros, você irá percorrer trechos dentro de parques ecológicos, como por exemplo, Arêdes e Acuruí. Além da já tradicional paisagem de montanhas mineiras, novamente você poderá conferir de perto cachoeiras, cursos de água e muita beleza natural.

No meio do trajeto, ainda irá se deparar com outras cidades coloniais bem famosas em Minas. Por exemplo, Caeté e Sabará. Em Caeté, fica o Santuário da Serra da Piedade, com vista para a cidade de Lagoa Santa. Por sua vez, em Caeté, poderá se hospedar em um dos resorts mais famosos do Brasil, tão famoso quanto os de Caldas Novas, em Goiás. Trata-se do Tauá, que também possui uma unidade na cidade mineira de Araxá.

Para terminar, a chegada em Glaura tem toda a receptividade e acolhimento das cidades mais importantes de Minas Gerais.

Principais dúvidas sobre percorrer a Estrada Real

A seguir, respondemos as principais dúvidas dos turistas que pensam em percorrer um (ou vários) dos caminhos da Estrada Real. Continue a leitura.

Qual a melhor época do ano para percorrer a Estrada Real?

Qualquer um dos trajetos pode oferecer uma experiência mais completa durante os meses entre abril e setembro. Isso porque é quando chove menos, o que permite conhecer mais atrações, principalmente aquelas de ecoturismo.

Qual o período de alta temporada na Estrada Real?

Não é possível determinar uma única temporada de maior movimentação turística na Estrada Real. Afinal, por abranger várias cidades, irá depender do que cada uma oferece. Por exemplo, se você incluir Ouro Preto em seu roteiro, a cidade costuma ficar mais cheia durante o Carnaval, Semana Santa e julho, quando acontece o Festival de Inverno.

Contudo, o ideal é procurar informações nos sites de cada destino, a fim de verificar eventos que podem deixar as cidades mais cheias.

Leia também | Viagem de bicicleta

É necessário reservar antecipadamente a hospedagem?

Sim. Afinal, várias das cidades ao longo da Estrada Real possuem um forte fluxo de turistas. Ou seja, se não fizer sua reserva antecipadamente, corre o risco de gastar muito mais ou não encontrar a hospedagem ideal.

Porque fazer um seguro viagem para percorrer a Estrada Real?

Mesmo que nosso país tenha gratuitamente o SUS para habitantes e turistas estrangeiros, é importante lembrar que nem toda cidade, principalmente as menores, possuem estrutura completa de atendimento. Além disso, se você precisar acessar alguma especialidade, ela pode não estar tão próxima quanto a sua urgência.

Por fim, ter um seguro viagem nacional para conhecer a Estrada Real permitirá, no caso de turistas fora dos estados onde ela se situa, ter atendimento de modo amplo. Afinal, a maior parte dos planos de saúde costumam oferecer apenas cobertura local, não é mesmo?

Saiba mais | Como funciona o seguro viagem nacional

Como é o clima ao longo da Estrada Real?

Por abranger um longo percurso e atravessar os estados de Minas, Rio e São Paulo, também não dá para pontuar um único clima em toda a Estrada Real. Por exemplo, o sul de Minas costuma ser mais frio, enquanto Diamantina, no Vale do Jequitinhonha, com temperaturas mais altas.

Porém, é possível separar o trajeto pelas regiões de maior fluxo turístico. Por exemplo, próximo a Ouro Preto, as temperaturas são amenas para o frio a maior parte do ano. Próximo a Diamantina, o outono e verão são bem intensos, enquanto o inverno e primavera pode oferecer um clima com temperaturas bem baixas.

Por sua vez, as cidades litorâneas, nas proximidades de Paraty, têm chuvas esparsas e clima de praia a maior parte dos meses. E por fim, a região serrana apresenta um clima mais fresco e chuvas intensas nos períodos entre outubro e março.

Sabe o que fazer na Estrada Real e quer curtir tudo com segurança? O Assistente de Viagem tem a melhor solução!

Após conferir nossas melhores dicas para um passeio inesquecível pelos caminhos da Estrada Real, que tal não abrir mão do conforto e segurança e contratar uma apólice de seguro viagem? Viaje com muito mais tranquilidade e tenha um passeio inesquecível!

Em nosso site, você faz uma cotação personalizada e pode escolher o seguro viagem nacional ou internacional que mais combina com você.

Para outras novidades e dicas para viajar, acompanhe sempre o Blog do Assistente de Viagem!

Wendell Soares: Wendell Soares é jornalista, pós graduado em Marketing Digital e apaixonado por música, literatura de terror, gatos e viagens. Nem sempre nessa ordem.